2558

Prefeitura Municipal de Sítio do Quinto

Pular para o conteúdo

2019 CREAS realiza palestra no Colégio Municipal Santo Antônio sobre abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. (21/05)

27/09/2019 às 10h16

Noticia

Galeria com imagens e vídeos sobre a matéria


Ocorreu na manhã desta terça-feira, 21, uma importante palestra no Colégio Municipal Santo Antônio sobre abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. A iniciativa oportunizada pelo Centro de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS), em conjunto com a Secretaria Municipal do Trabalho e da Assistência Social (SEMTAS), Conselho Tutelar e Prefeitura Municipal de Sítio do Quinto, teve o objetivo de esclarecer e alertar, bem como prevenir eventuais situações de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes, que podem ocorrer em seu ambiente familiar, escolar e/ou social.

Estiveram presentes na palestra, a coordenadora do CREAS, Elaine Silva, juntamente com sua equipe e membros do Conselho Tutelar do município, que acompanharam a importante iniciativa no ambiente educacional. A palestrante, Monique Helen, psicóloga do CREAS, abordou diversos parâmetros sobre o abuso, desde como identificar os primeiros sinais de violência, até os sintomas que a vítima pode sentir ao passar pelo abuso.

O objetivo do CREAS é realizar essa ação em todas as escolas da sede do município, inclusive, na rede privada, para atingir todos os grupos sociais, afinal, o abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes ocorrem independente do sexo, cor, religião ou classe social. O trabalho em rede escolar dá uma maior amplitude nas ações, proporcionando um trabalho mais eficaz.

Oficialmente, o 18 de maio é o dia dedicado à temática, através da Lei Federal nº 9.970/00. Esse dia foi escolhido porque em 18 de maio de 1973, na cidade de Vitória (ES), um crime bárbaro chocou todo o país e ficou conhecido como o “caso Araceli”. Esse era o nome de uma menina de apenas oito anos de idade, que teve todos os seus direitos humanos violados, foi raptada, estuprada e morta por jovens de classe média alta daquela cidade. O crime, apesar de sua natureza hedionda, até hoje está impune.